(41) 3149-8444 | 9 8754-6006

Realidade virtual pode ajudar a tratar problemas de saúde mental

Publicado em: 07/03/2017

 

Realidade virtual

 

Os óculos e capacetes de realidade virtual costumam ser associados a videogames e diversão,

mas as empresas também estão trabalhando para que eles possam ser usados em terapias de

saúde mental, para tratar fobias, ansiedade ou vícios.

 

Algumas fobias, por exemplo, podem ser tratadas com a exposição gradual em um ambiente

virtual de um paciente ao seu maior medo, seja aranhas, viagens de avião ou espaços fechados.

 

A TeleSoftas, uma empresa lituana que desenvolve aplicativos móveis, acredita que essa terapia

de exposição pode ser facilmente realizada na sala de um profissional de saúde usando dispositivos

de realidade virtual.

 

“Com a realidade virtual, você pode criar terapias audiovisuais em um ambiente seguro para os fóbicos”,

disse o CEO da empresa, Algirdas Stonys, à AFP no Congresso Mundial de Celulares, em Barcelona, a

maior feira anual da indústria telefônica. Assim, por exemplo, alguém que tem medo de falar em público

seria colocado diante de uma plateia em uma sala cheia de pessoas, virtualmente.

 

Realidade virtual

 

A Psious, uma start-up espanhola, também está trabalhando em um campo semelhante. As terapias de

exposição são projetadas para encorajar o indivíduo a entrar em situações temidas, seja no mundo real

ou através de exercícios imaginados. “Mas nós pensamos que nesta era digital, tinha que haver algo mais”,

disse o CEO da Psious, Xavier Palomer Ripoll.

 

Criada há três anos porque um dos seus fundadores tinha medo de voar, a empresa desenvolve aplicativos

para psicoterapeutas, que podem baixá-los e usá-los em dispositivos de realidade virtual. O profissional

deverá, então, escolher um ambiente adequado. Por exemplo, uma vez equipada com o dispositivo, uma

pessoa com medo de altura pode ser colocada virtualmente em um elevador para subir até o topo de um

arranha-céu. Usando um computador, o psicoterapeuta pode fazer o elevador subir cada vez mais alto,

ou tornar o piso transparente para aumentar a dificuldade do exercício. O profissional também pode

avaliar o progresso do paciente observando, por exemplo, se este é capaz de olhar para baixo.

 

A Psious arrecadou cerca de um milhão de euros em 2015, e fornece a tecnologia para cerca de 600 médicos,

principalmente na Espanha. Paralelamente, a empresa está realizando nove estudos clínicos com universidades

para obter dados sobre a eficácia das terapias a longo prazo.

 

A TeleSoftas, enquanto isso, espera poder eventualmente oferecer ambientes virtuais para tratar transtorno

obsessivo-compulsivo, estresse pós-traumático, alcoolismo ou tabagismo. Várias start-ups americanas também

estão trabalhando neste tipo de aplicativos.

 

 

Fonte: Exame

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comentários

Salvatore

Legal. Informações muito úteis! Achei um blog que ajuda a entender mais sobre o assunto!! Vale a pena conferir. http://blog.dortaedorta.com.br/saiba-se-voce-precisa-mudar-o-registro-de-marca-caso-tenha-alterado-o-logotipo-da-sua-empresa/


admin

Agradecemos por nos acompanhar!


Paula Soares

Ótimo conteúdo


Sonia Silva

Simplesmente AMEI o conteudo desse site! Estão de parabéns, já até deixei na aba de favoritos aqui D


porcelanato

Quanta informação nesse site. Parabéns pelo conteúdo. Sucesso


porcelanato liquido

muito chique


CURSO DE PORCELANATO LIQUIDO

Muito bom seu site. Conteudo de valor. Me ajudou bastante.


como aplicar porcelanato liquido

Achei interessante esse artigo Parabéns!!!


Julio

Gostei.


felipe

oi gente gostei muito desse site, parabéns pelo trabalho. ;)


curso porcelanato liquido 3d

Eu adorei esse site. Muito conteudo de qualidade. Parabens


Ronaldo

Bacana.


A Capelatto Marcas e Patentes

Agradecemos pela interação. Estamos a disposição.


Empresa de Sucesso

Ola excelente informacoes, tenho uma holding de empresas e preciso registrar a marca, irei entrar em contato.


Patricia Alves

Gostei muito do artigo!


janete

muito bom o seu arigo


Edgar

Interessante.