(41) 3149-8444 | 9 8754-6006

Sonho de crescer com o pré-sal virou pesadelo para empresas

Publicado em: 11/02/2015

 

Obras do COMPERJ, Rio de Janeiro: fornecedores em dificuldade (Agência Petrobras)

 

O empresário pernambucano Gervásio Tassi Filho fez, em 2008, a maior aposta de sua vida.

Comprou mais de 250 ônibus e triplicou o tamanho de sua empresa de transporte. Seu objetivo

era atender os 40 000 operários que chegariam à cidade de Ipojuca, em Pernambuco, para as

obras da Refinaria Abreu e Lima, da Petrobras.

 

Hoje, como se sabe, a refinaria é caso de polícia. Os custos explodiram, e a obra, que custaria

2,5 bilhões de dólares, não sairá por menos de 20 bilhões. Numa tentativa de conter o estrago,

a Petrobras decidiu dificultar a vida das empresas contratadas para tocar a obra. Não demorou

para que as peças do dominó caíssem, uma a uma, até derrubar o fornecedor do fornecedor do

fornecedor — Tassi Filho, hoje dono de 350 ônibus, sentiu o impacto.

 

Seus clientes, as empreiteiras Alumini, TKK Engenharia e Egesa, pararam de receber da Petrobras

e, portanto, pararam de pagar. Em dezembro, Tassi Filho colocou parte dos ônibus à venda – e decidiu

processar a Petrobras e as empreiteiras.

 

Na última década, milhares de empresários brasileiros viram na Petrobras a maior oportunidade que

teriam na vida. Quando a estatal descobriu o pré-sal, estimava-se que seriam necessários investimentos

de 600 bilhões de dólares para tirar o projeto do papel. Quem entrasse na onda ganharia uma fortuna.

Hoje, a crise desses fornecedores é a consequência menos visível do rolo em que a Petrobras se meteu.

 

Sonho de crescer com o pré-sal virou pesadelo para empresas

 

Com o caixa secando e agora pressionada pelo escândalo da Operação Lava-Jato, a maior empresa

do Brasil vem tornando a vida de seus fornecedores um inferno: contratos revistos, obras suspensas,

pagamentos que demoram uma eternidade. Essas empresas começaram, agora, a reagir: a Petrobras

está sendo processada por centenas de empresários país afora. O sonho do pré-sal foi parar na Justiça.

 

A Petrobras estima que os processos de que é alvo somem 86 bilhões de ­reais, segundo seu último balanço

publicado. Há dois anos, essa conta era de 45 bilhões de reais. Isso não quer dizer, claro, que a empresa vai

perder tudo. Mas os custos com perdas concretas também são crescentes.

 

As perdas anuais com processos, depósitos judiciais e provisões para ações em curso chegaram a mais de

10 bilhões de reais, duas vezes mais do que em 2011. Cada obra da Petrobras é, hoje, uma disputa judicial

em potencial. A estatal foi notificada de sete arbitragens referentes a um único projeto, a Refinaria Abreu

e Lima. Segundo ­EXAME apurou, os sete processos discutem a quantia de 6,8 bilhões de ­reais.

 

Efeito dominó

 

A multiplicação de processos está diretamente relacionada à forma como a Petrobras se propaga na

economia brasileira. Segundo a consultoria LCA, cada real investido pela estatal corresponde a 3 reais

a mais na economia do país graças à receita de construtoras, fabricantes de pré-moldados ou restaurantes

e alojamentos. Cerca de 17 000 empresas fazem parte desse universo.

 

Para cada funcionário da Petrobras, há quatro terceirizados — são 350 000 pessoas que dependem,

direta ou indiretamente, das decisões da petroleira. Quando a Petrobras cresce, puxa centenas de

pequenas e médias empresas com ela. Quando a estatal para, o efeito dominó é imediato. Exemplo

disso é uma das empresas do consórcio da Abreu e Lima, a Alumini, investigada na Lava-Jato.

 

Duas arbitragens foram iniciadas pela companhia nos últimos três meses, cobrando 1,2 bilhão de reais

da Petrobras. A Alumini alega falta de pagamento da estatal e, em decorrência, pediu recuperação judicial,

não pagou 6 000 funcionários e é alvo de uma ação do Ministério Público do Trabalho.

 

Sonho de crescer com o pré-sal virou pesadelo para empresas

 

Algumas dezenas de empresas, por sua vez, processam a Alumini e chegam a incluir a Petrobras como

corresponsável — companhias como a Igarassu Turismo, que hospedava funcionários, as fabricantes de

esquadrias metálicas Fametal e Alumitec e a empresa de perfuração Drill-Tec. O Sindicato dos Trabalhadores

da Construção de Pernambuco também processa a Alumini e a Petrobras, exigindo que a estatal assuma as

dívidas de salários e encargos.

 

A fase litigiosa é uma consequência até certo ponto esperada de uma mudança de atitude da Petrobras.

Há pouco mais de dois anos, Graça Foster assumiu a presidência da companhia e começou um pente-fino

nos projetos. Logo ficou claro que o dinheiro estava acabando mais rápido do que as obras.

 

Só o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) custaria 6,5 bilhões de dólares a mais, com atraso

de quatro anos, e a Petrobras ainda tinha pela frente um plano de investimento de mais de 300 bilhões para

executar até 2018. Para manter o plano, era preciso economizar.

 

Prestadores de serviço de engenharia com mais de 1 000 funcionários, como Tenace e Conduto, foram

atingidos (a primeira faliu e a outra está em recuperação judicial). Em novembro, quando a Polícia Federal

prendeu 34 executivos e sócios de construtoras, o que já estava difícil para os fornecedores ficou dramático.

 

Sonho de crescer com o pré-sal virou pesadelo para empresas

 

Em dezembro, 23 empresas que teriam feito contratos com a estatal de forma fraudulenta foram proibidas

pela Petrobras de participar de novas concorrências. A petroleira aproveitou todas as brechas contratuais

para rescindir contratos — foram 30 rescisões em 2014, a maioria em novembro e dezembro.

 

Companhias que não estão sob investigação, mas participavam dos consórcios, também sentiram o baque

e, com pagamentos atrasados, começaram a ser processadas por seus fornecedores — caso da empresa de

engenharia Proenge-Projetos e da Construtora Barbosa Mello. Assim, os problemas começaram a se espalhar

pelas obras e pelos estados.

 

A Souza Neto Engenharia, que prestava serviços para a Petrobras no Rio Grande do Norte e em Sergipe,

teve os pagamentos bloqueados pela Justiça em janeiro por atrasar o salário dos empregados, à espera

de renegociações com a Petrobras. Os acionistas da Petrobras também partiram para a briga. Uma ação

coletiva foi iniciada nos Estados Unidos em novembro pelo escritório Wolf Popper, após as ações da

Petrobras desvalorizarem 50%. No Brasil, a Comissão de Valores Mobiliários tem seis processos em

curso sobre a Petrobras, a pedido de acio­nistas.

 

Sonho de crescer com o pré-sal virou pesadelo para empresas

 

É impossível dimensionar o impacto financeiro das ações de investi­dores, fornecedores e trabalhadores

pa­ra a estatal, uma vez que os riscos são distintos e muitas delas foram protocoladas há pouco mais de

um mês. A Petrobras já conseguiu se livrar de al­guns processos em que era ré provando que o contrato

não era dela.

 

Por e-mail, a companhia afirma que não é responsá­vel, por exemplo, pelos salários de empresas terceirizadas,

“conforme a legislação vigente” — ainda assim, já foi obrigada nos últimos dois meses pela Justi­ça a fazer

depósitos para pagamento de funcionários de fornecedores. O pré-sal chegou à Justiça — e, a partir de agora,

ninguém sabe onde pode parar.

 

 

Fonte: Exame

Comentários

Salvatore

Legal. Informações muito úteis! Achei um blog que ajuda a entender mais sobre o assunto!! Vale a pena conferir. http://blog.dortaedorta.com.br/saiba-se-voce-precisa-mudar-o-registro-de-marca-caso-tenha-alterado-o-logotipo-da-sua-empresa/


admin

Agradecemos por nos acompanhar!


Paula Soares

Ótimo conteúdo


Sonia Silva

Simplesmente AMEI o conteudo desse site! Estão de parabéns, já até deixei na aba de favoritos aqui D


porcelanato

Quanta informação nesse site. Parabéns pelo conteúdo. Sucesso


porcelanato liquido

muito chique


CURSO DE PORCELANATO LIQUIDO

Muito bom seu site. Conteudo de valor. Me ajudou bastante.


como aplicar porcelanato liquido

Achei interessante esse artigo Parabéns!!!


Julio

Gostei.


felipe

oi gente gostei muito desse site, parabéns pelo trabalho. ;)


curso porcelanato liquido 3d

Eu adorei esse site. Muito conteudo de qualidade. Parabens


Ronaldo

Bacana.


A Capelatto Marcas e Patentes

Agradecemos pela interação. Estamos a disposição.


Empresa de Sucesso

Ola excelente informacoes, tenho uma holding de empresas e preciso registrar a marca, irei entrar em contato.


Patricia Alves

Gostei muito do artigo!


janete

muito bom o seu arigo


Edgar

Interessante.